publicidade

Pesquisar

Deputado Marx Beltrão ainda não aprendeu que dinheiro publico não pode ser direcionado a hospitais privados

Dinheiro publico pode ser usado para investir em unidades de saúde privadas? Não na teoria, mas para tudo se dá um jeito. Coruripe, reduto político do deputado federal Marx Beltrão (PP) tem recebido recursos do estado e do governo federal diretamente, mesmo tendo um representante na câmara federal que poderia direcionar esses recursos para o município sem a necessidade de um intermediário.

Enfim, como se não bastasse, o hospital da cidade, conveniado com o SUS, é de propriedade da família Beltrão e Marx insiste em enviar recursos para a unidade de saúde, já que tem como justificativa o atendimento das pessoas da região que são atendidas pelas unidades básicas do sistema único de saúde e para não serem enviadas pelo Hospital Geral do Estado são enviadas para o Hospital Carvalho Beltrão, fica tudo em família.

O mais estranho, para ser irônico mesmo, é que justamente em ano de eleição, o deputado está alucinado para que os recursos sejam enviados a este hospital, certeza que isso nada tem a ver com as condições na qual a unidade hospitalar se encontra, já que bem recentemente um paciente que se recuperava de um cirurgia denunciou as condições do local que estava se deteriorando em mofo e sujeira, fora o despreparo e atendimento deficiente da equipe que trabalha no local e o calor na unidade, mesmo com ar-condicionados instalados, porém sempre desligados, causando desconforto nos pacientes, situação que, para os moldes de um hospital privado que tem recebido repasses milionários de dinheiro publico, parece apresentar as mesmas condições que as unidades de saúde publicas abandonadas pelo estado a própria sorte.

Somente em 2017 o Hospital carvalho Beltrão recebeu R$ 7,5 milhões através de uma portaria, quase 10% do total repassado irregularmente pelo Ministério da Saúde foi para Coruripe, de acordo com relatório do Tribunal de Contas da União (TCU) indicando que hospitais e clínicas de dezesseis estados do país foram beneficiados com a prática, que teve início tímido em 2015 e ganhou fôlego em 2017 e 2018, no total 76 milhões de reais de emendas parlamentares foram repassadas para hospitais e clínicas particulares, o que é proibido por lei. A verba seria suficiente para custear por um ano 21 das mais complexas Unidades de Pronto Atendimento (UPA)e foi transferida para que estabelecimentos pudessem pagar despesas regulares, como contas de água, luz, telefone, combustível ou manutenção de equipamentos.

A investigação não serviu para intimidar o deputado e o hospital segue recebendo recursos advindos de dinheiro publico, como o caso de um tomógrafo com 128 canais que serviria para pacientes atendidos pelo SUS (Sistema Único de Saúde) no hospital e um recurso de R$ 15 milhões garantido por Marx Beltrão ano passado também para o mesmo hospital, o que garante que os repasse milionários do orçamento secreto também não seriam direcionados para a unidade hospitalar.

Tudo isso é o que se sabe procurando superficialmente, afinal, todas estas informações circulam livremente de forma transparentes nos anais da internet, nada fica escondido, o questionamento é justamente essa urgência e emergência em direcionar recursos para um hospital privado justamente em ano de eleição, será que Marx quer garantir a boa saúde dos coruripenses e eleitores do litoral sul para que tenham vigor suficiente nas urnas e garantam sua reeleição? Tem campanha melhor°
Façam suas apostas.

VEJA TAMBÉM